Workshop realizado no último sábado, dia 03 de agosto, marca início das atividades do projeto Garotas Applicadas

Home/Blog - Eventos - Notícias/Workshop realizado no último sábado, dia 03 de agosto, marca início das atividades do projeto Garotas Applicadas

Workshop realizado no último sábado, dia 03 de agosto, marca início das atividades do projeto Garotas Applicadas

A primeira edição do projeto Garotas Applicadas teve início com a realização de workshop para as meninas inscritas e seus familiares no último sábado, dia 03 de agosto, no campus Cristiano Machado do UniBH.

Os encontros do projeto acontecerão sempre aos sábados e são esperadas 40 participantes, alunas de escolas públicas de Belo Horizonte. Serão oferecidas aulas de programação, desenvolvimento pessoal, liderança, negócios e empreendedorismo para as adolescentes que tem como objetivo final desenvolver aplicativos para contribuir para a solução de problemas reais de suas comunidades. A equipe de instrutores será composta por voluntários e profissionais.

A Liga da Robótica (que oferece aulas de programação e robótica) e Esquadrão Quero-Quero (que ensina adolescentes a construírem miniplanadores) são outras iniciativas da Avec que deram elementos para a criação do Garotas Applicadas voltado especialmente para o público feminino. Marilia Vidigal, idealizadora do projeto, explica que a ideia nasceu a partir da pouca presença de meninas nos outros cursos proporcionados pela Associação. “Oferecemos atividades que são muito empolgantes. A gente trabalha com Lego, com computação, com tecnologias que são superatuais, mas não temos tanta presença de meninas.  Não estamos satisfeitos com isso. Primeiro porque as mulheres precisam da tecnologia e a tecnologia é uma escolha de carreira possível. Além disso, a tecnologia significa emprego. Estamos num país que vive um desemprego de 13%, mas vagas na área de tecnologia sobram. E mesmo que não façam a opção de atuar numa área diretamente ligada à tecnologia, ela é uma ferramenta para o futuro. A ONU estima que 90% dos empregos do futuro vão precisar de alguma forma de tecnologia ”, explica Marília Vidigal.

Por cerca de 20 semanas as adolescentes participarão de encontros semanais,  divididos em quatro blocos: apresentação do projeto, tecnologia e empreendedorismo (iniciação à programação, construção de aplicativos, marketing, noções de contabilidade, finanças pessoais, modelo do negócio e plano de negócios); ideação e autoconhecimento (o papel da mulher em nossa sociedade e como conciliar vida pessoal e vida profissional) e por fim, aspectos comportamentais e gestão de conflitos.

O engenheiro mecânico Giuliano Mendonça é um dos professores voluntários. Ele vai ensinar sobre empreendedorismo para as garotas do projeto. “Buscamos trazer para as meninas a ideia de criar uma atitude empreendedora, que é não se conformar com as coisas como estão, não se conformar com os problemas, aprender a ter a atitude de se mobilizar para sair da zona de conforto e mudar a própria vida. Temos um conteúdo voltado para ajudá-las a gerar ideias, analisar essas ideias e transformá-las em realidade”, explica.

Carmelita Vidigal, presidente da Avec, diz que os cursos que a associação oferece vêm atender a demanda de educação tecnológica que nem sempre é suprida pela rede pública de ensino. “A gente acredita que a educação tecnológica além de favorecer a inclusão de crianças e jovens no mundo digital, vai despertar o interesse na carreira científica e ajudá-los a adquirir ferramentas para estar presentes nesse mundo. A educação tecnológica é necessária”, reforça.

Garotas empoderadas

A educação tecnológica é vista como umas das portas para o empoderamento feminino. E este é um dos pontos relacionados a uma das finalidades da AVEC, que busca atender ao Objetivo do Desenvolvimento Sustentável nº 5 da ONU, que é justamente alcançar a igualdade de gênero. A aluna do curso, Leila Oliveira de Mendonça, 16 anos, quer trabalhar na área de tecnologia e defende que “as mulheres têm que conquistar esse espaço”.

Mulheres empreendedoras e que trabalham com inovação e tecnologia foram convidadas para compartilhar com as alunas e seus familiares suas experiências durante workshop realizando no último sábado (3/8), antecedendo o início das aulas. Uma das participantes, Ciranda de Morais, criadora da She’s Tech, movimento que visa fortalecer a presença feminina no setor da tecnologia, ressaltou a importância da autoestima feminina. “Quando foi que fazer as coisas como mulherzinha virou sinônimo de fraqueza? A gente quer, sim, fazer tudo como uma menina, como uma mulher porque é isso que somos e temos orgulho. Vamos acreditar no nosso potencial. Se a gente conseguir ajudar a nossa rua, o bairro, a escola, a cidade faremos a nossa parte com o poder individual de cada uma”, disse.

Além dela, participaram do workshop Luciana Maria Silva Lopes, chefe do Serviço de Biologia Celular da Fundação Ezequiel Dias e sócia-fundadora das startups OncoTag e CELLtype; Carolina Bigonha, fundadora da Hekima, empresa que desenvolve e aplica tecnologias de computação cognitiva; Yale de Paula Soares, do Sistema Mineiro de Inovação e a psicóloga Alane Michelini.

2019-08-07T10:42:03+00:00